1917 – Um dos favoritos do Oscar 2020!

0
1

As guerras nunca saem “de moda” quando se trata de audiovisual, e é comum o fato de que sempre vemos o tema nas telas dos cinemas, nos jogos e na literatura.

A emoção, os embates, as condições pelas quais passam homens e mulheres em combate, tudo isso tem sido explorado por grandes diretores ao longo dos anos.

O queridinho da vez agora é o filme de Sam Mendes (Beleza Americana e 007 – Operação Skyfall), que usa como cenário a Primeira Grande Guerra, que aconteceu entre 1914 e 1918, no continente europeu, principalmente o norte da França.

O filme se baseia em uma história que seu avô, Alfred Mendes, lhe contou na infância.

“Havia uma história que era um fragmento do relato de meu avô, que lutou na Primeira Guerra. Era a história de um mensageiro que tinha um recado para levar. E isso era tudo que podia contar.” disse Sam.

“Essa história, ou esse fragmento, permaneceu comigo e obviamente eu a ampliei e fiz mudanças enormes, mas a essência é a mesma.”, relembra o diretor.

No longa, Blake (Dean-Charles Chapman) e Schofield (George MacKay) são escolhidos pelo comandante da base onde servem, para levarem uma mensagem urgente, a fim de impedir que mais de 1600 homens morram em uma armadilha, num ataque surpresa, inclusive o irmão de Blake.

Mas nenhum desses personagens existiu de verdade. Possivelmente, Blake é inspirado no avô de Sam Mendes, que escreveu um livro com suas memórias da Primeira Guerra Mundial.

Outra fonte de inspiração seria a Batalha de Passchendaele ou a Terceira Batalha de Ypres, que durou de 31 de julho a 10 de novembro de 1917, segundo o portal History and Hollywood.

A missão dos jovens soldados parece fácil, mas eles terão que correr contra o tempo, passar pelos obstáculos do caminho e tentar chegarem vivos ao local da armadilha antes do amanhecer.

Todo o filme gera um impacto emocional incrível onde podemos ver detalhes marcantes do que realmente é estar em campo de batalha.

Um cenário devastado pelo combate, animais mortos, gente soterradas apodrecendo em meio à lama, a sede, a fome, o desespero nos olhos das pessoas, tudo isso acompanhado pela maravilhosa trilha sonora de Thomas Newman.

Além da excelente atuação de MacKay e Chapman, temos também a participação dos veteranos Colin Firth (Kingsman e O Discurso do Rei), Bennedict Cumberbath (Doutor Estranho e O Jogo da Imitação), Richard Madden (Game of Thrones e Rocketman) e Mark Strong (Shazam e Sherlock Holmes).

Em parceria com o Diretor de Fotografia Roger Deakins (ganhador do Oscar por Blade Runner 2049), Sam Mendes nos apresenta um trabalho de filmagem genial.

Os takes foram feitos separadamente, com duração de aproximadamente 8 minutos cada, depois unidos na edição, em cortes praticamente imperceptíveis, totalizando as quase duas horas de um plano sequência incrível, com apenas uma interrupção, tudo fluindo magicamente enquanto acompanhamos a trajetória dos jovens mensageiros.

E não para por aí. A fotografia se completa com paisagens, cores e cenários que nos chama a atenção. Há um momento de tirar o fôlego, quando Schofield se vê iluminado por sinalizadores, quase ao amanhecer, pouco antes de ser perseguido por inimigos!

O quão magnifico é, quando, por um breve instante, nos esquecemos do horror da guerra e nos maravilhamos com as luzes e sombras que vemos na tela!

“A técnica é deslumbrante, é mais do que um truque: aumenta a tensão e o imediatismo da imagem, o que permite nos conectarmos com os dois heróis!” escreveu Caryn James, para a BBC.

Sem dúvidas, “1917” é uma verdadeira aula de como fazer um bom filme! Edição, fotografia, roteiro, trilha sonora, atuação, direção de arte e um bom trabalho de direção.

“A história de meu avô não era nada romântica. Não era sobre heroísmo ou valentia, mas sim sobre um soldado que teve ou não a sorte de sobreviver à guerra.”

Ele disse: “Por que não grudamos o público nessa experiência de uma maneira que parece não se romper nunca, em um filme que se parece com o tique-taque de um relógio, no qual experimentamos o que acontece em tempo real a cada segundo?”

E parece que ele conseguiu…

1917 foi indicado em 10 categorias no Oscar, incluindo Melhor Filme, Melhor Fotografia e Melhor Direção!

A 92ª edição da premiação acontece no dia 9 de fevereiro!

Que tal compartilhar conosco sua opinião?