A Forma Da Água – Crítica

A Forma Da Água ganhou o prêmio de Melhor Filme desse ano, claro que apresenta uma bela histórias um pouco peculiar, excelentes personagens e atuações, ótima trilha sonora, mas penso que não deveria ter ganho essa estatueta.

Eliza (Sally Hawkins) é uma moça humilde que trabalha num complexo do governo, o que a difere das demais pessoas é que ela não consegue falar. Mesmo assim, ela tem a sua rotina onde todos os dias ela a repete. Até que tudo muda com a chegada de um misterioso objeto que contém algo mais misterioso ainda.

Depois disso, a história começa a ganhar forma, Eliza e a criatura não conseguem falar um com outro, mas por meio de gestos, transmitem ao telespectador tudo o que sentem um pelo outro. Na verdade é algo muito bonito de se ver. Outro ponto positivo para o longa é a criatura (Doug Jones), algo realmente interessante. O ator já trabalhou em diversos outros filmes com o diretor Guilhermo Del Toro, como Labirinto do Fauno e Hellboy.

Outra coisa que gostei bastante do filme, foi a representação da época, pois o longa se passa nos anos 60, onde ainda o preconceito era bem explicito e as pessoas o exerciam a toda hora, como o caso do atendente da confeitaria, que era um homem muito bonito fisicamente, mas por dentro era nojento. Agora aquele que retratou da melhor forma um homem preconceituoso, foi o vilão Richard Strickland (Michael Shannon ), o homem representou fielmente o que era aquela sociedade. Machista, homofóbico e acreditava que sua raça era superior a todos, principalmente em relação aos negros, posso dizer que não me simpatizei com o personagem, por isso amei o final dele no filme.

Por fim não podia deixar de falar dos melhores amigos de Eliza, Zelda (Octavia Spencer ) e Giles (Richard Jenkins). O relacionamento de Eliza com Zelda me fez lembrar do relacionamento do Forrest Gump (Tom Hanks), com seu amigo Bubba (Mykelti Williamson), já que a forma que as duas conversam são semelhantes. Eliza só escuta e pouco responde, igual Forrest e Zelda fala pelos cotovelos como Bubba. O outro amigo é Giles, um pintor decadente gay que procura voltar ao topo novamente, geralmente é dele que vem os comentários mais espirituosos.

The following two tabs change content below.
Vivian Duarte

Vivian Duarte

Futura publicitária com grande sonho de trabalhar com produção cinematográfica, enquanto esse sonho não se realiza, nas suas horas vagas contribuí com matérias e criticas para esse site.
Vivian Duarte

Últimos posts de: Vivian Duarte (see all)