Capitão America: Guerra Civil – Crítica

A vingança é um prato que se come frio, é amarga e a pessoa que sente isso só tem um único objetivo concluí-la. Ainda não consigo expressar corretamente as palavras para descrever Capitão América: Guerra Civil, talvez estupendo seja pouco para o grande longa. A turma está reunida, ou bem quase ela, sem Thor e Hulk a história se desenrola com Capitão América (Chris Evans) tendo escolher um lado, mas não é bem sobre o tratado e sim qual amigo ele apoiará.

Posso dizer eu tinha uma visão errada do Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) e seus motivos, mas Tony Stark transparece em todas as suas cenas a melancolia de ter que caçar os seus amigos. Zemo (Daniel Brühl), para alguns pode ser considerado genérico, mas não ele é incrivelmente inteligente e fez o que os maiores não conseguiram em suas próprias palavras.

As lutas a cada uma que passava mais eufórica eu ficava, bem coreografas chegando a fazer o telespectador ter uma descarga de adrenalina total.  Pantera Negra (Chadwick Boseman), o que era aquele homem, a palavra perfeito, realmente deu trabalho o rei de Wakanda e suas cenas de luta tem que ser aplaudidas de pé. Por fim o encontro à cena da luta do hangar de aviões, onde Team Cap e Team Iron se encontram. Amigos que agora viraram inimigos, cada um conhecendo os movimentos dos outros, seus pontos fracos e claro que devo ressaltar a aparição mais esperada. Homem Aranha (Tom Holland) simplesmente as lágrima vieram por finalmente vê-lo em sua casa, afinal é como diz o ditado: “o bom filho a casa torna.”. Sem contar é claro que ele veio com aquele adorável humor. Outro personagem que não teve muito tempo de tela foi Homem Formiga (Paul Rudd), a parte engraçada do filme, não que o Homem de Ferro teve seus momentos, mas Scott Lang tornou-se o alívio cômico já que o Sr. Stark estava muito ocupado tentando fazer a coisa “certa”.

Então o confronto final aconteceu, sem regras, só os dois, um tentando proteger um velho amigo e tentando não machucar o novo amigo o outro movido pelo pior dos desejos que uma pessoa pode sentir: vingança. Praticamente Capitão América: Guerra Civil se baseou em duas coisas: vingança e consequências, a primeira é como ela pode afetar as pessoas que gostamos e a segunda que não importa quem seja as consequências chegam podem tardar um pouco, mas elas sempre irão te achar.

The following two tabs change content below.
Vivian Duarte

Vivian Duarte

Futura publicitária com grande sonho de trabalhar com produção cinematográfica, enquanto esse sonho não se realiza, nas suas horas vagas contribuí com matérias e criticas para esse site.
Vivian Duarte

Últimos posts de: Vivian Duarte (see all)