Jovens Titãs em Ação vs Jovens Titãs – Crítica

O longa de animação disponível no streaming HBO Max, faz um crossover entre duas séries muito queridas pelos fãs de diferentes gerações. 

O filme de uma hora e dezessete minutos nos apresenta um história que já estamos acostumados a presenciar. Quando duas versões de personagens se encontram num mesmo universo. Nessa os Jovens Titãs em Ação, animação criada em 2013 encontra-se com seus alter egos de 2003.

A narrativa traz uma junção dos dois mundos, sendo cada um deles com suas características próprias, contudo em alguns momentos um pouco exageradas. A história começa quando a Ravena, dos Titãs em Ação, começa a ter problemas com o uso de seus poderes. Assim logo temos o aparecimento dos Mestre dos Jogos que os sequestram e os levam para uma arena para enfrentar seus alter egos de um outro universo.

As divergências iniciais entre os personagens é evidente, enquanto os antigos Titãs, possuem uma aura mais sombria, série e pouco espaço para brincadeiras. Suas versões de 2013 são memes ambulantes. Até mesmo o motivo deles participarem dos jogos é infantilizado. Os personagens que mais tem dificuldade em se acertarem são os Robins, porque é evidente que o do ano de 2003 não se conforma que sua versão seja tão estranha.

Contudo vejo com clareza que os públicos são diferentes, os Jovens Titãs de 2003 foca num público mais juvenil e os temas abordados no seriado eram mais complexos. Por exemplo, quando vemos o episódio que a Estelar foi dada como “morta”. Enquanto a de 2013 mostra uma versão voltada para o público infantil com piadas para a faixa etária. Em 2003 os vilões eram mais temidos, como Trigon ou Slade.

Na nova versão o Trigon aparece um ursinho fofinho e eles lutam contra o Papai Noel.  O bom é que eles mesmo se zoam em certos momentos.  Outra coisa que preciso comentar foi o quão dramático o Robin de 2003 se transformou. Ele parecia um ator de teatro shakespeariano recitando seus monólogos.

É divertido ver esse embate de universos, porque enquanto uns são mais treinados, preparados para o combate os outros são mais relaxados e , um verdadeiro embate entre geração z e millenials (brincadeirinha). Agora falando sério, gostei de que ambos aprenderam uns com os outros e mostrando ao telespectador que você não precisa ignorar ou debochar de algo por ser mais antigo ou mais novo. A moral aqui é sempre buscar o melhor e aprender com o que é proporcionado.

Jovens Titãs em Ação vs Jovens Titãs, é divertido, traz uma narrativa de fácil entendimento e mostra-se um longa reflexivo, pois proporciona um embate de gerações. Afinal qual desenho é o melhor? Eu já tenho minha resposta e você?

NOTA: 4,5/5,0

ALERTA SPOILER

Olha, geralmente não faço essas coisas, mas não posso evitar, para mim, uma das mais partes mais divertidas foi quando eles entraram no universo das novas versões dos Jovens Titãs dos filmes animados da DC. Foi rápido e um “tapa” na cara do Robin de 2003 que estava se achando a melhor versão de todas. .

Que tal compartilhar conosco sua opinião?